quarta-feira, julho 26, 2006

Dia dos Avós =P

Todos conhecem a famosa história do Capuchinho Vermelho =)
Para alguns é mesmo a preferida da sua infância, pelo menos era para mim e sempre a ouvi repetidas vezes sem nunca me cansar e pedir que me contassem novamente.
A história de uma criança, uma menina inocente a quem é atribuída a tarefa de levar o seu cesto cheio de coisas doces e boas à sua avozinha que adora acima de tudo.

A pobre criança, apenas porque quer brincar, alheia a tudo o que a rodeia, segue o caminho que a faz mais feliz sabendo que chegará ao seu objectivo: encontrar a sua querida avozinha cheia de saúde e doçura. Todos nós sabemos o que a espera, menos a pobre criança que aberta ao mundo e às descobertas, cheia de simplicidade segue o seu caminho. Pobre capuchinho! Até que lá chega, entra e apressasse a abraçar a sua avó.

Chega a hora da primeira surpresa, as diferenças que se lhe deparam pela frente, o “primeiro gomo da tangerina amarga e doce como se fosse essa hora em que chora e depois dobra o riso e então faz seu juízo”. Então decide a medo questionar… Porquê? Porque estás tão diferente? Ainda algo incrédula perante tanta mudança, mas confiando cegamente na sua avó.
Nós, já sabemos… É o lobo mau!!! =S
Todos nós temos, pelo menos, um lobo mau na nossa vida. Todos nós escolhemos caminhos, procuramos objectivos e queremos amar e entregar esse nosso cesto de coisas boas a alguém que nos quer bem e em quem confiamos, respeitamos e amamos. Pobre Capuchinho!
De facto a nossa inocência pode ser proporcional à nossa surpresa, ao nosso espanto e às questões que iremos colocar a nós próprios, e depois até ao nosso posterior crescimento.

O lobo acaba por nos papar, consegue o quer, papa avozinhas inocentes, papa o capuchinho e aproveita-se de tudo o que tem à mão para se fingir do que não é na realidade. Está de facto convencido de que vence. Está convencido de tudo, dos seus bonitos olhos verdes, do seu belo pelo ruivo, dos seus dentes brancos, da sua atitude decidida e da sua força que emerge precisamente do saber sobrepor-se ao inocente. Sim, ele vai mesmo conseguir o que quer e tem mesmo de ser assim, porque tem. Mesmo depois de se mostrar, mesmo depois de se verem as suas intenções no olhar, os seus dentes afiados e a sua real natureza, tudo tem de acontecer pois a confiança e o amor é levado ao extremos por quem é ingénuo e apenas acredita no seu bosque encantado em que caminha. O capuchinho perdido, ainda atordoado por tanta surpresa nem tem tempo de reagir, é pura e simplesmente engolido =S

Porém a história não acaba aqui, tem um final feliz =) De facto andam por aí caçadores para o caso de sermos engolidos, prontos a dar uma boas pauladas nesses lobos pulguentos e lhes abrir a barriga.
Há uma diferença nesta história… Já alguém viu o lobo regurgitar o capuchinho, vê-lo lavadinho e querer comê-lo novamente? Assim só por prazer como que come uma moussezinha LoL Só se agora o pobre capucho (já sem “inho”) fosse realmente muito parvo =P ainda por cima com um caçador por perto para nos ajudar.
Cuidem-se avozinhas, venham caçadores. O Capuchinho está a crescer e a rodear-se de pessoas boas para um dia fazer uma grande festa. Os lobos podem conseguir o que querem, julgar-se felizes por isso mas não é essa a felicidade aparente que procuro, e o final será sempre feliz para a “galera inocente” =)

Regurgitado e atirado fora, ou salvo por um caçador, cada vez estou melhor e não deixo de andar no meu bosque e de querer levar o meu cesto a quem merece e fizer por merecer. O que tem o meu cesto? Ai isso agora… ;-P
Sei que sou um capuchinho e muito vermelho, lol mas já aprendi ;-)


THE END... ou não =P

2 comentários:

Sara disse...

Qualquer semelhança com a realidade é pura coincidência...

;)

Vera disse...

Que giro! Gostei muito!
Gosto dessa tua faceta, Zé, é mesmo essa a tua natureza! Gostei muito da analogia!

Um pequeno aparte da amiga futura-psicóloga: Conheces a simbologia desta História, analisada pela psicanálise?? Ias-te rir, se soubesses!

beijinhos